ENTREVISTAS

Cultura, Educação, Democracia

Uma entrevista com Olgária Matos, professora e referência mundial em filosofia: “O maior financiamento em um país pobre em desenvolvimento e culturalmente debilitado tem que ser em educação, cultura e saúde. As outras áreas vão para o segundo plano”

ENTREVISTAS

“Não é papel do Estado dizer o que a cultura deve ser”

A nova noção de política cultural que se constrói na secretaria de políticas culturais do MinC, agora sob o comando de Alfredo Manevy, tem três dimensões: “cultura como economia, como fator simbólico, e como direito e cidadania. É muito interessante pensar essas três dimensões não como campos estanques, mas como partes de uma mesma organicidade interdependente”

ENTREVISTAS

Um doutor em políticas culturais

A busca do Wellington não é por reconhecimento próprio. Isso ele tem de sobra. Ele quer reconhecer um lugar e um espaço para arte, além das instituições ditas culturais. Ele quer reconhecer também no outro o artista, o interventor, o protagonista. Da própria vida e de toda a sociedade

ENTREVISTAS

Política do cala-boca

O Secretário de Cultura do município de São Paulo, Carlos Augusto Calil, dispara: “Os artistas rapidamente se mobilizam para conquistar ou defender seus interesses, e como o dinheiro da cultura é irrelevante, sempre existe alguém dizendo ‘vai, dá para um cala-boca para esses caras’”

ENTREVISTAS

“Existe um coronelismo no cinema claramente explicitado”

“O Ministério das Comunicações é praticamente um escritório de representação de interesses da radiodifusão privada”. Com essa frase Gabriel Priolli defende a parceria, ou até a fusão, entre os Ministérios da Cultura e das Comunicações. Comenta o fracasso da Ancinav e lança uma lúcida análise política sobre o que considera ser “o maior problema do Brasil”: a democratização dos meios de produção e difusão cultural. E responsabiliza o próprio setor