ENTREVISTAS

O MinC que temos e o MinC que queremos

A coordenadora de cultura da UNESCO no Brasil, Jurema Machado, deixa sua opinião sobre a gestão Gilberto Gil, seus programas, a sociedade civil e o processo eleitoral. E comenta sobre o papel da entidade em colaboração com o governo brasileiro

ENTREVISTAS

“O Ministério da Cultura não existe”

Jorge Coli, professor da Unicamp e ex-secretário de cultura de Campinas, solta o verbo no Perfil desta semana: “O ministério da cultura não tem a menor importância, qualquer coisa que o ministro possa fazer não tem a menor importância. Passamos oito anos com o governo do Fernando Henrique Cardoso. Ministério da cultura mais inexistente do que havia então, impossível. Foi pateticamente inexistente, foi zero. Alguém se incomodou?

ENTREVISTAS

Política Cultural do Kaos

Jorge Mautner lança biografia e coordena o Pontão de Cultura do Kaos, um projeto do Instituto Pensarte junto aos Pontos de Cultura. Provocado por Leonardo Brant, ele faz uma avaliação histórica de nossas políticas culturais, aponta caminhos e reconhece a importância da gestão do amigo Gilberto Gil para a cultura brasileira

ENTREVISTAS

Cultura, Educação, Democracia

Uma entrevista com Olgária Matos, professora e referência mundial em filosofia: “O maior financiamento em um país pobre em desenvolvimento e culturalmente debilitado tem que ser em educação, cultura e saúde. As outras áreas vão para o segundo plano”

ENTREVISTAS

“Não é papel do Estado dizer o que a cultura deve ser”

A nova noção de política cultural que se constrói na secretaria de políticas culturais do MinC, agora sob o comando de Alfredo Manevy, tem três dimensões: “cultura como economia, como fator simbólico, e como direito e cidadania. É muito interessante pensar essas três dimensões não como campos estanques, mas como partes de uma mesma organicidade interdependente”

ENTREVISTAS

Um doutor em políticas culturais

A busca do Wellington não é por reconhecimento próprio. Isso ele tem de sobra. Ele quer reconhecer um lugar e um espaço para arte, além das instituições ditas culturais. Ele quer reconhecer também no outro o artista, o interventor, o protagonista. Da própria vida e de toda a sociedade

ENTREVISTAS

Política do cala-boca

O Secretário de Cultura do município de São Paulo, Carlos Augusto Calil, dispara: “Os artistas rapidamente se mobilizam para conquistar ou defender seus interesses, e como o dinheiro da cultura é irrelevante, sempre existe alguém dizendo ‘vai, dá para um cala-boca para esses caras’”

ENTREVISTAS

“Existe um coronelismo no cinema claramente explicitado”

“O Ministério das Comunicações é praticamente um escritório de representação de interesses da radiodifusão privada”. Com essa frase Gabriel Priolli defende a parceria, ou até a fusão, entre os Ministérios da Cultura e das Comunicações. Comenta o fracasso da Ancinav e lança uma lúcida análise política sobre o que considera ser “o maior problema do Brasil”: a democratização dos meios de produção e difusão cultural. E responsabiliza o próprio setor