O presidente Jair Bolsonaro vetou na noite dessa terça (05) a Lei Paulo Gustavo, que repassaria cerca de R$ 3,8 bilhões aos estados e municípios, a serem utilizados em ações emergenciais para o setor cultural.

Em seu argumento, o governo afirmou que a proposição legislativa “enfraqueceria as regras de controle, eficiência, gestão e transparência”, o que poderia furar o teto de gastos. Os recursos viriam do atual superávit financeiro do FNC (Fundo Nacional de Cultura).

O setor agora se mobiliza para que o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco, paute com rapidez a derrubada do veto.


editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *