Nova obra do cientista político Rafael Moreira, escrita em coautoria com o jornalista Lincoln Spada, analisa os impactos da extinção daquele que era um dos Ministérios mais ‘vivos’ desde a redemocratização do Brasil e que foi extinto no primeiro dia do governo Bolsonaro: o Ministério da Cultura

Desde 2019 o Ministério da Cultura (MinC) se tornou a Secretaria Especial da Cultura, vinculada atualmente à pasta do Turismo. Criado em 1985 em meio ao processo de transição democrática, o MinC foi o epicentro de diversas políticas públicas do setor por todo o país. Afamado e difamado em razão das polêmicas da Lei Rouanet, o ministério teve um amplo histórico de programas, como a Lei Cultura Viva e a Lei do Audiovisual. Mapear Pontos de Cultura, fortalecer a salvaguarda de patrimônios imateriais e a criação de praças integradas com demais serviços públicos fizeram parte de sua trajetória.

Diante desse repertório de pesquisa, os autores partilham nesta obra as suas escutas sobre os impactos da era pós-MinC a partir de entrevistas realizadas com gestores públicos, técnicos e trabalhadores da cultura de diferentes áreas (como artes cênicas, visuais, cultura popular e música) de oito municípios, de quatro unidades federativas (Distrito Federal, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo) que contam o seu ponto de vista sobre a extinção do Ministério que os representava no primeiro dia do governo Bolsonaro. Entre os 10 entrevistados (escolhidos com paridade racial e de gênero) se incluem o ex-Ministro da Cultura Juca Ferreira, a curadora independente Luciara Ribeiro, o ex-Secretário Executivo do MinC João Brant, e uma das principais referências no Maracatu, a mestra Mestra Joana.

Publicado pela editora Imaginário Coletivo, a obra foi desenvolvida desde 2020 com coautoria do jornalista Lincoln Spada e foi contemplada pelo 8º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes de Santos (Facult 2019), da Prefeitura Municipal de Santos via Secretaria de Cultura.

O livro se encontra à venda diretamente com Rafael Moreira, por meio de suas redes sociais ou através do e-mail [email protected] .


editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *