O II Seminário #Procultura foi realizado no dia 17 de agosto de 2013 pelo Cemec e pelo Cultura e Mercado, no Novotel Jaraguá, em São Paulo. Parte da programação foi composta por um “aquário” – espaço para propostas e ideias para a Lei Rouanet e para o Procultura.

Baixo Ribeiro, representante da Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) contou um pouco da experiência que teve com sua galeria, a Choque Cultural, e afirmou que o incentivo fiscal não tem direções muito lógicas no setor, porque muito do que existe no mercado de arte é feito para um determinado público colecionador, que acaba bancando esse processo.

Para ele, não depender somente de incentivo público é importante para os artistas porque os editais em sua maioria já vêm com um briefing pronto e uma ideia com a qual o artista tem que acabar se adaptando.

Veja a fala de Baixo Ribeiro na íntegra no vídeo abaixo:

 

 


editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *